"Always look on the bright side of life"

Sexta-feira (ou devo ser pedante e falar que é sabado?) à noite e, depois de um litro e meio de cerveja, todas as questoes da vida se tornam nao só mais fáceis de ser discutidas, como também mais claras. Ou nao. Há certas coisas que, nao importa o quanto sejam pensadas e repensadas, nunca terao exatamente uma solucao, um esclarecimento.
Sao assim os ditos “assuntos do coracao”. Nada como algumas cervejas e horas no telefone com uma super amiga para despertar certos assuntos escondidos. Passando por memórias dos tempos de escola, Friends (embora eu ache que desta vez nós nao tenhamos chegado aos comentários sobre séries) e outras coisas de menos importância, eis que chegamos à parte afetiva da vida.
O álcool entorpece, isso é verdade. Nao só a boca fica extremamente articulada: o cérebro nao parece exatamente captar a distincao entre o que deve e nao deve ser dito. Tudo bem, as coisas ficam entre amigos. O difícil é saber que você finalmente admitiu pra você mesma certas coisas. De repente você percebe que se tornou exatamente a pessoa da qual sempre debochou. De repente você é um ser digno de pena. Ou alguém medíocre. Ok, ainda nao me considero medíocre, mas inegavelmente já reconheci que nao sou a mesma pessoa, aquela que leva o orgulho às ultimas conseqüências.
Lembramos de coisas passadas, nao há tanto tempo, é verdade, mas ainda ainda assim passadas. Terao aqueles momentos pertencido única e exclusivamente àquela época? Será aquele um tempo que nunca voltará? But, hey, “always look on the bright side of life”!
Eu tento seguir a filosofia do Monty Python, trilha sonora desta conversa. Se for assim, devo pensar que pelo menos mudei algo, que já nao sou tao orgulhosa à ponto de me declarar independente de qualquer pessoa ou sentimento. Mas eu olho para outro lado bom da vida: pelo menos eu passei por tudo isso.
Anúncios

8 Comentários

Arquivado em Uncategorized

8 Respostas para “"Always look on the bright side of life"

  1. lévia da yakusa

    menena!…o pior de tudo é realmente assumir as coisas pra gente mesmo! e pensar “nossa, eu acho isso? eu sou isso? ” mas numa boa..nem é ser medíocre!…..acho que tá rolando uam baita transformação pra todo mundo (a turma da Kombi é imbatível né?..até nisso!)..acho que mesmo que achemos horrével, orgulho nem é tão ruim assim!..sô até suspeita pra falar porque sô um poço de orgulho, mas eu melhorei e vc disse que tb mudou…!!!!!!!viva!!!!!!!…..e tem outra coisa: alcóol+ olévia = risadas!!!!… vc bebada e risonhamente risonha!!!!!!!!!!BJOOOO(come back)

  2. Dos colores

    Ninguém é satisfeito com sigo mesmo. Por isso a gente faz anos de terapia e Freud ganhou dinheiro. Se não fosse isso, estariamos correndo em campos de margaridas. Mas o bom nisso é que a gente pode mudar e é exatamente isso que estamos fazendo: Buscando a nossa glória. Se o amor não bate à sua porte a gente bate no amor e dá uns chutes também. Vamos trocar essa carcaça e viajar com La Maravillosa.beijão Olévia

  3. Mauro

    Eu adorei o post!E inicialmente não saquei esse lance de sentir pena de si mesmo.Mas aí lembrei. Uh! É bem comum!Bom… quanto mais autônomo é o ser humano dos seus semelhantes, mais dependente do meio externo ele é.Lembra “Um grande Garoto”!Vamos viver, ok?

  4. Lilian

    Na verdade eu queria era comentar o post anterior. Sabe qual é o meu sonho? Não sei se vc leu os mangás do Kenshin, mas a capa do último mangá é o meu sonho. Ele tá andando, com a mão no punho da espada, com a cabeça levemente levantada e um singelo sorriso nos lábios. Esse é o meu sonho, pq esse desenho representa o meu ideal de contas acertadas. Tipo, de não dever nada pra ninguém, de dever cumprido, de liberdade e de satisfação. Meu sonho é um dia poder sorrir como ele, com a mão no punho da espada (sem interpretações mediocres, veja bem!) E parece que sua passeada em Munique me lembrou essa sensação…

  5. Barrão

    ô,minha garota! quanta culpa por ser humana!sim tb me sinto medíocre e mais ainda em quase falar para vc não se sentir medíocre. não, não tenhamos pena da nossa contradição. somemos forças com ela. pffffftemos que beber juntos!!!beijo beijo

  6. Barrão

    estoucom 2 filmes do monty python no pc da História Oral mas ainda não os vi!os verei!=*

  7. Lela

    Biba, mas você achar que é digna de pena em função de expôr/pensar “assuntos do coração” é levar o orgulho às últimas consequências.VOCÊ NÃO É DIGNA DE PENA!!!Ninguém é imune a essas situações. Pode deixar a gente puta de ódio e com vergonha de algumas coisas que fazemos às vezes, mas não faz da gente pior que ninguém.Às vezes também penso se tudo o que já passou está só lá atrás e não terei tantas diversões plenas quanto já tive, mas corto essas impressões antes que eu fique triste demais. Não sei nem como vou dizer isso agora, porque não tem NADA a ver comigo, mas algumas coisas a gente tem só que esperar pra ver como serão…tcs.Ai. Não gosto de comentar assim tão séria, não. Próximo post eu volto a ser pateta! :PTe amo, beterrabaaaaaa!

  8. Helen

    Ai. Eu estou com saudade! 😦

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s