A modernidade e a viagem no tempo

Quando pensamos que nada mais nessa vida pode nos surpreender, vem a internet com mais uma de suas façanhas: a volta no tempo!
 
Eu admito que participo de inúmeras redes sociais via web, estou cadastrada em tudo quanto é serviço da rede e até jogo uma coisinha muito simples online. O negócio é que, como tudo o que surge no ambiente virtual, essas redes tendem a se tornar cada vez menos virtuais e sempre mais reais (mesmo que não envolvam conhecer concretamente, fisicamente, o outro usuário).
 
Enfim, juntando tudo isso (a vontade das pessoas de formarem uma rede real, a tecnologia e o avanço que chega no limite de nos fazer voltar no tempo), eis que me encontro numa situação deveras inusitada: no tal joguinho, pelo qual é permitido enviar mensagens para outros usuários, um outro me contacta para resolver uma questão puramente relacionada ao jogo em questão. Tudo bem, trocamos algumas mensagens pra solucionar o problema, mas o ser do outro lado insistia em não querer entender e me pede o msn. What the hell? Não acredito que isso me causaria problemas. Mas eis que a primeira frase do ser é: “Quantos anos você tem?”. Claro, na minha paciência universalmente conhecida, eu ignorei a pergunta e fui direto ao ponto que interessava. Mas a coisa continuava, até que por fim eu falei. Agora, segurem-se em suas cadeiras, porque a próxima foi uma pérola: “Você ficaria com um cara de 17?”. Claro que, no momento que eu fiquei sabendo a idade do garoto, entendi a insistência na primeira pergunta (lembram da época que a gente super conversava com pessoas desconhecidas pela internet visando a pegação? Então não julguemos o jovem.). A conversa ainda se desenrolou até o ponto do garotinho falar que eu devia ser muito nervosa, porque “só dava tirada” (sim, este termo ainda existe na boca da adolescência).
 
Bom, pelo menos serve pra gente relembrar nossos anos de juventude revoltada, não é? Se você se sentir saudosista, entre numa sala de bate-papo do UOL. A conversa vai ser a mesma que era há dez anos atrás.
 
*Ao som de The Deadlover’s Twisted Heart – Huckleberry Finn
Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

2 Respostas para “A modernidade e a viagem no tempo

  1. martha

    meldels!! muitas informaçoes em um post só!! vamos por partes:- dois posts quase seguidos!!! que ótimo!!!!- oi, eu NUNCA varei a net em busca de pegação. logo, posso chamar esse kids de babaca (foi uma palavra bonitinha, eu tinha outra em mente!).- vc tá ouvindo a música da banda do guto?? como assim, zezus??- e finalmente: HAHAHAHAHAHAHAHA vc recebeu uma cantada de um kids!!!!!Beijo

  2. lévia

    omg!um pouco chocada pq salas de bate papo eram essas fritações mesmo!…zente zente….ele super te curtiu a ponto de ainda perguntar se vc animava…ele ainda deve ter pensado “nossa, ela é tão mais velha e curte o mesmo joguinho que eu!!!”nossa, como a martha é ciumenta com o punk do futuro!!…..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s