Gotta make home for the Homo Superior

De repente parece que virou moda falar que odeia Natal. Todo mundo detesta. Todo mundo acha que é época de falsidade, de conversar com quem você não gosta cheio de meios sorrisos.

Na minha opinião, ninguém te obriga a ser falso, nem deus, nem Jesus, por mais cristão que você seja. Se você segue as premissas de amor do cristianismo, ótimo. Mas acredito que quem realmente o faz, é assim o ano inteiro, o tempo todo, e quem faz um esforço tão enorme pra arredar os cantos dos lábios pros lados das orelhas à medida que o dia 25 de dezembro vai chegando… Bem, essa pessoa não é assim tão religiosa, ou talvez tenha uma idéia um pouco diferente do que é sua própria fé.

Mas não estou aqui pra falar sobre seguir desta ou daquela maneira o cristianismo. Como já deu pra perceber pelos vários posts deste mês, eu curto o Natal. E acho que é desnecessário dizer, mas estou longe de ser religiosa, muito menos cristã. É verdade, fui criada no na Igreja Católica. Fui batizada, freqüentava a missa todos os domingos, coroava todos os maios, acompanhava as procissões da semana santa e fiz primeira comunhão. Nada disso obrigada, sempre fui com gosto – só não sei se por fé também, já que eu era pequena. Fui assim até por volta dos 11 ou 12 anos. Eu lembro de começar a ler “As Brumas de Avalon” e a mudança que isso me provocou. Foi desde então que passei a ver essa Igreja entidade, a tomar conhecimento da existência de outras religiões e a perceber que nenhuma delas era menos válida que outra, que todas tinham sua lógica interna e que os seguidores tanto de uma quanto de outra poderiam ser extremistas ou pacifistas. O que eu quero dizer é que não sou contra religiões, elas podem ser bonitas tomando o devido cuidado.

Voltando ao assunto: eu gosto do Natal. E não porque é uma celebração religiosa cristã (é, vamos lembrar que as datas mais importantes do calendário cristão  – páscoa e natal – são uma mistureba com religiões pagãs). O Natal para mim não significa comemorar o nascimento do menino Jesus, Maria dando a luz no estábulo ou os três reis magos vendo a estrela guia e trazendo seus presentes. Eu sempre vi o Natal como uma época de estar com a família, com quem você ama, com quem é importante. É época de presentear (e já disse aí no outro post o que eu penso dos presentes), de pensar nos outros, de pensar um pouco mais sobre você mesmo… E você pdoe argumentar que isso pode ser feito em qualquer época do ano. Sim, também acho. Mas o fato de que fazemos (ou pelo menos eu faço) nesta época, agora, não torna tudo isso menos válido. É bom que ainda exista este período em que tanta gente ainda tome este tempo para tais coisas, seja em que mês for.

Então aí está porque eu gosto de Natal: as pessoas estão mais dispostas a ser gentis, tomamos tempo pra família, pra estar junto, pra experimentar receitas, decorar a casa, para escrever um cartão, mandar uma mensagem para alguém distante ou que não vemos há tempo e nos falta a desculpa pra mandar um “oi”, pra sair na busca de um presente pra agradar quem a gente gosta. Enfim, a gente fica ansioso pra demonstrar o amor.

*Ao som de David Bowie – Oh! You Pretty Things

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

2 Respostas para “Gotta make home for the Homo Superior

  1. Olha, sou do povo que nao gosta de Natal, mas tà longe de ser pela suposta “falsidade” da época. Nao gosto é da breguice (enfeites, luzes, tudo em grande quantidade… engraçado que eu gosto de breguice mas nao gosto da breguice DO NATAL). E na modalidade #classemediasofre tb me irrita o tanto de gente na rua… moro perto das galerias laffayette e às vezes tarefas simples como andar até o metrô, viram um desafio no meio daquele mundo de gente.. mas enfim, isso é soh mau humor (o maior sinal de que està na hora de ir embora de paris é qdo vc começa a ficar como os parisienes, e mau humor é um dos quesitos).
    Eu curto isso da familia reunida, fico p* tb com essa mania dos cristoes (falar “cristoes” é mania que eu peguei da cleycianne) de se fazerem de coitados tipo “ngm lembra mais que é aniversàrio de zezus, soh nos verdadeiros cristoes”. Enfim, claro que eu tb acho que consumismo é uma coisa ruim e blablaba, mas nao me venham com essa de “parabéns jesus”!!! ou tipo “pq ateus comemoram natal”.. enfim, falei disso no meu post e talz.
    Mas mesmo nao gostando de enfeites de natal eu ajudei a mae do meu namorado com a arvore! ela tava tao empolgada, ia ser paia cortar o barato dela (ademais eu to na casa dela né, comendo da comida dela e etc.. ajudar a montar a àrvore era o minimo)

    E contaê dos seus presentes tb!!!

    • Olivia

      Bem, essa das ruas lotadas realmente vira um problema. Menos pela quantidade de gente, mas por elas estarem todas irritadas. Tipo, eu desisti de ser educada em filas, ônibus… Não tem jeito, as pessoas ficam selvagens mesmo.

      Bem, ganhei um rádio fofo porque ele é estilo vintage e uma mala de mão de couro. Diz meu pai que quem ganha mala, viaja.=) Ah, e um sapato.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s